Pornografia e masturbação, o sexo fácil dos inexperientes

disfuncao-eretil

A masturbação tem qual efeito sobre as pessoas?

E a pornografia?

Provavelmente muita gente não sabe.

Será que você sabe?

A masturbação é vista como algo natural por praticamente todos os psicólogos quando praticada na infância, fase em que a criança está descobrindo sua sexualidade.

Nessa fase da vida o prazer muitas vezes precede o ato de se masturbar e não está associado a fatores externos, ou seja, a criança começa a sentir prazer nas zonas erógenas e se masturba para aumentar esse prazer e buscar satisfação.

É a sensibilização do corpo que, segundo alguns estudiosos, pode até ajudar as mulheres, por exemplo, na fase adulta, a vivenciarem melhor sua sexualidade, já que muitas vezes a dificuldade de orgasmo na mulher é potencializada pelo fato de ela desconhecer o próprio corpo ou por ter vivido num ambiente de repressão que provoca sentimento de culpa.

Mas o mundo tem passado por transformações muito rápidas nos últimos anos. Internet, exibicionismo, acesso fácil à pornografia, liberalização e maior autonomia e independência das mulheres estão entre os inúmeros ingredientes dessas transformações.

Recentemente a imprensa noticiou o caso de um homem inglês que, aos 31 anos, admitiu que era virgem e viciado em pornografia.

Está longe de ser um caso isolado. E cada país tem um perfil diferente em relação ao comportamento das pessoas, tanto homens como mulheres. Mas existem coisas que acontecem em qualquer parte do mundo.

É ilusão achar que nos países desenvolvidos homens e mulheres são mais “liberados” sexualmente. Mesmo nesses países muitas pessoas têm comportamentos de excessiva timidez ou dificuldade de encarar sua própria sexualidade.

Assista ao vídeo a seguir e deixe sua opinião nos comentários. E inscreva-se no canal para receber um aviso cada vez que um novo vídeo for postado.

O texto prossegue logo abaixo do vídeo, se você prefere ler em vez de assistir. Mas não se esqueça de que no vídeo pode haver mais informações ainda do que no texto. Então, fica a seu critério escolher as duas opções.

 

Foi o que aconteceu com esse rapaz, que passou a buscar material de sexo explícito online porque, segundo ele, o prazer, obtido dessa forma solitária, segundo as palavras dele mesmo, acarreta completa ausência de consequências.

São pessoas que tem, para citar apenas um exemplo, dificuldade de serem rejeitadas, e que passam a buscar o prazer solitário porque, nesse caso, ele é dono da situação, ou seja, não haverá quem o rejeite.

Mas isso, em vez de melhorar, com o tempo piora as coisas, e pode levar ao que se chama de vício pela pornografia e pela masturbação, o que frequentemente acaba levando ao divã de um psicanalista.

Isso porque uma pessoa que sofre desse mal torna-se uma pessoa isolada, sem amigos, com sérias dificuldades para conviver em sociedade e mais ainda de manter um relacionamento sexual com parceiros ou parceiras.

Existem muitas questões envolvidas. A indústria pornográfica exibe uma visão muitas vezes exagerada de performances sexuais, com superatletas do sexo em demoradas relações que muitas vezes transmitem insegurança às pessoas inexperientes, que temem não atingir o mesmo desempenho daquele mostrado nos filmes pornográficos.

Essa angústia tem trazido consequências também entre os jovens brasileiros. Terapeutas sexuais relatam que são cada vez mais frequentes os casos de homens ainda jovens que procuram ajuda médica por apresentarem problemas de disfunção erétil, a chamada impotência sexual, uma questão há pouco tempo associada apenas a um significativo avanço da idade ou a problemas de saúde, como diabetes ou doenças cardiovasculares. Ou ainda ao tabagismo e ao alcoolismo.

Exatamente por isso, por essa angústia decorrente do medo do desempenho na cama, é que os médicos também relatam que é cada vez maior o número de homens jovens que se socorrem das pílulas para facilitar e manter a ereção, pois temem que no contato com as parceiras não apresentem o desempenho desejado ou aquilo que eles consideram que seja a expectativa das mulheres.

A chamada emancipação feminina, que tem levado as mulheres a terem uma atuação cada vez mais destacada na sociedade, inclusive no mercado de trabalho, também assusta boa parte dos homens.

Buscar o prazer solitário ou se sentir angustiado a ponto de sofrer de disfunção erétil são algumas das consequências, já que esses homens estão preocupados, como falou o nosso personagem inglês que foi entrevistado pela imprensa, em buscar um sexo sem consequências, ou seja, sem decepções e sem rejeições.

Assistem a filmes pornôs até de madrugada, masturbam-se e em seguida adormecem.

Mas será que isso é sadio, será que faz bem à saúde mental e emocional?

Lógico que não.

As relações interpessoais, o contato saudável com o sexo numa relação a dois, fazem parte da vida. E é bom lembrar que são a origem da própria vida.

Esses problemas todos, como já mencionamos, têm origens múltiplas, e é pertinente lembrar que um antidoto eficaz é o diálogo, o debate dos temas sexuais, muitas vezes sufocados ainda por crenças religiosas ultrapassadas e repressivas, por tabus e por preconceitos que apenas agravam a situação.

O site Recado Secreto e o nosso canal no Youtube foram criados para incentivar cada vez mais esse debate e ampliar o leque de esclarecimentos sobre sexualidade, relacionamento e comportamento.

Vamos ampliar e jogar luz sobre esse debate, para ter uma sociedade cada vez mais feliz, afastando dessa forma todas as consequências nefastas que a falta de esclarecimento, a repressão e a autorepressão vêm provocando ao longo dos séculos.

Assine o canal, visite o site Recado Secreto, deixe o seu comentário e clique no sinal de positivo se tiver gostado deste vídeo ou se apoiar o nosso lema por uma sociedade mais feliz, livre de crimes sexuais, de preconceitos e de distorções e fugas da sexualidade que acabam por resultar em frustrações, isolamento e comportamento antissocial.

Tome a decisão de ser feliz.

Deixe aqui o seu recado

Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso de cookies.