O que destrói um casamento e como evitar isso

O que destrói um casamento e como evitar issoVocê acha que é só sexo e idade que mantêm um casamento?

Então você está enganado ou enganada.

Muita coisa pode destruir um casamento.

E a responsabilidade, na maior parte das vezes, recai sobre os dois, em maior ou em menor proporção.

O primeiro passo para um casamento dar certo pela vida toda é ele começar certo, é lógico.

E também é lógico que para ele dar certo é sempre melhor que as pessoas tenham perspectivas comuns, que se amem, evidentemente, e que saibam dialogar.

Ter objetivos em comum não significa que os parceiros de uma relação tenham que ter a mesma profissão ou o mesmo projeto.

(O texto prossegue logo abaixo do vídeo)

Mas vai ser mais difícil um casamento dar certo se um dos dois adora viajar o tempo todo e o outro adora ficar em casa.

Ou se um gosta de balada e o outro odeia.

É lógico que, mesmo nesses casos, havendo respeito um pelo outro, pode até dar certo, mas as perspectivas são menores.

Mas se deu certo por algum tempo e está acabando, as razões são muitas.

Primeiro você tem que saber se a dificuldade está em você quando um casamento nunca dá certo.

Por exemplo: você é daquelas pessoas que, quando namoravam, de uma hora para outra o seu parceiro ou parceira simplesmente desaparecia? Suas relações, mesmo havendo um compromisso mais forte, duravam apenas alguns meses ou pouco mais de um ano?

Então pode ser que o insuportável ou a insuportável seja você.

Há uma forma de cansar da pessoa: quando ela quer ser o que não é. É daquelas pessoas que vivem fingindo o que não são, algo portanto que tira a autenticidade de qualquer pessoa. Ou pessoas que são uma coisa quando estão namorando e mudam completamente depois que se casam. Ou que vivem brigando, caso em que a relação acaba se rompendo, mesmo que exista sentimento. E que mesmo esse sentimento não permita um mínimo que seja de ponderação.

Afinal, como bem diz o ditado, dois bicudos não se beijam.

É preciso saber falar, é preciso saber ouvir, mas é preciso também se fazer ser ouvido, porque muita gente ouve e na hora de ser ouvido não é.

Quer ver um truque para evitar briga? É evitar acusação, evitar apontar o erro do outro.

E sabe um bom truque para evitar isso? Em vez de dizer para aquela pessoa “você é isso”, diga como você está se sentindo com o que está acontecendo. Então, em vez de dizer você é, você diz eu estou me sentindo assim por causa disso e disso.

Insegurança, carência e pressão também enfraquecem uma relação, e é comum um dos parceiros, por exemplo, quando vê que o casamento está acabando, fazer pressão demais para que ele não acabe, e aí é que acaba mesmo.

Se está acabando e você não quer que acabe, você tem que aumentar o seu poder de atração, e não de rejeição.

A questão do sexo é sempre citada. As mulheres, por exemplo, ficam temerosas de que, com o passar dos anos, os homens passem a se interessar menos, mas isso depende da sintonia, da afetividade, do companheirismo.

Além do mais, mesmo quando o sexo passa a ser menos frequente, isso não significa que o carinho também deixe de ser frequente.

Outro caso de eterno conflito é quando um se acha mais do que o outro. Isso gera até equívocos.

Por exemplo: a mulher se acha extremamente bonita e atraente e imagina que o parceiro vai aceitar tudo para mantê-la. E até joga isso na cara dele, dizendo que pode fazer o que quiser que ele não vai conseguir se separar porque também está levando vantagem.

E aí, evidentemente, isso causa desconfiança no parceiro, o que é interpretado por ela como excesso de ciúme, mas que na verdade foi uma situação que ela mesma provocou com a sua postura de salto alto, de se achar muito acima dele e irresistível a ponto de fazer qualquer coisa.

Enfim, como se já não bastasse o fato de as relações humanas serem muito complicadas, o fato é que as pessoas também acabam complicando ainda mais.

Excesso de reação não ajuda.

Mas excesso de passividade também atrapalha.

Se o casal se gosta de fato, se quer ficar junto, mesmo assim esses conflitos podem aparecer e até acabarem em separação.

E isso pode ser também consequência do excesso de orgulho, ou de um, ou de outro, ou dos dois, o que se transforma em disputa.

E muitas vezes os dois querem permanecer juntos ou reatar um relacionamento. Mas nenhum dos dois admite.

É o famoso não dar o braço a torcer.

Quando um casal começa a perceber que o risco do rompimento está próximo mas não quer esse rompimento, a melhor solução é a ajuda de um profissional. Terapias de casal existem aos montes. Mas é preciso saber escolher.

Como na hora de se casar, é preciso haver critério. E esperar os resultados com paciência. Porque às vezes esses resultados chegam, mas é normal que demorem um pouco.

Porque muitas vezes, nessas terapias, as coisas começam a aflorar. E se não souber trabalhar bem isso, se não souber amadurecer as coisas, aí é que desanda mesmo.

Este site tem muitos artigos sobre relacionamento humano. Aproveite para ler todos eles.

Deixe aqui o seu recado

Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes. Ao continuar navegando neste site, você concorda com o uso de cookies.